facebook

quinta-feira, 8 de março de 2012

OVOS DE BARRO PARA A PÁSCOA






A PRODUÇÃO





 A minha ajudante também produziu um. Eis o resultado.



O RESULTADO










A HISTÓRIA

 Dona Zulmira na olaria. Fotografia "pinhole" - 7 segundos de exposição
 Interior da olaria - torno à esquerda. fotografia "pinhole" - 7 segundos de exposição.
 Dupla exposição - interior e exterior da olaria - fotografia "pinhole"
  Dupla exposição - interior e exterior da olaria - fotografia "pinhole"
 Interior da olaria - fundos, onde é guardado o barro - fotografia "pinhole" 
10 segundos de exposição

Fachada da Olaria - fotografia "pinhole" - 1 segundo de exposição
fotografias e texto: Bárbara Nunes

barbaranunes.com@gmail.com

OS OVOS E PRATOS ESTÃO À VENDA NA MINHA LOJINHA:
http://www.elo7.com.br/ateliersantabarbara

TEM VÁRIAS OPÇÕES DE PAGAMENTO!


____________________________________________________

Já faz um tempo que fui buscar os ovos que encomendei na olaria Santa Rita, aquela de Vendinha. O Toninho, oleiro e dono do estabelecimento, fez um bom trabalho e o resultado da produção de Páscoa do Atelier pode ser conferido hoje no blog e na lojinha.
Ovos de cerâmica como estes eram produzidos pelo já falecido Quintino, os primeiros que fiz foram os desenhados com paisagem como os de agora, mas pintados com lápis de cor.
A minha amiga Carla Balbinot também foi responsável por este trabalho de certa maneira. Ela me levou à olaria e me apresentou ao Quintino e à dona Zulmira sua esposa. Naquela época íamos a pé até lá para comprar ovos, pratinhos, vasos, potinhos e aí vai. Para quem sempre havia morado em cidade grande e em apartamento, era uma aventura percorrer aquela cidadezinha, por entre ruas de chão batido e ainda cortar caminho por  uma picada no meio do mato para chegar até lá. Era um lugar maravilhoso, um pequeno labirinto recheado de objetos de barro, tão  singelos e tão deliciosos.  Na época eu acabara de ler o romance do José Saramago “A Caverna” e foi uma identificação imediata. Certo dia de inverno, eu fui lá para fotografar. Saquei a minha câmera “pinhole” e comecei a função enquanto conversava com dona Zulmira. O oleiro Quintino não estava por ali. Papo vai, papo vem e de repente ouço um barulho no fundo da olaria. Como achei que estávamos sozinhas perguntei à dona Zulmira se não poderia ser um bicho, um rato ou um gato. E ela com toda a naturalidade disse: “ é o Quintino”. Pois e não é que era mesmo! Fazia dois dias que ele passara queimando as suas peças, os fornos estavam quentes ainda e ele aproveitou para descansar  um pouco dentro do forno quentinho. Lembro bem da figura deste homem de barro arrastando uma cobertinha pela olaria  com cara de sono e me olhando espantado. Não mais do que eu!  Na época ele já deveria ter uns 80 anos. Era um homem muito generoso e muito habilidoso. Estava sempre disposto a ensinar o seu ofício.
Depois que ele faleceu, a dona Zulmira também não viveu muito tempo e os filhos acabaram vendendo a olaria para o Toninho que mudou o nome do estabelecimento de “Olaria do Quintino” para “Cerâmica Santa Rita”.  Ficou um tempo no velho galpão e logo recebeu uma proposta pelo terreno e acabou se mudando para Vendinha. Quando passo por ali dá uma tristeza de ver aquele maquinário aterrando e terraplanando onde foi a olaria do Quintino. Mas o “progresso” é assim, esmagador.
O Toninho me contou que tem cada vez menos profissionais na área, que a cada geração menos pessoas se interessam pelo ofício.


9 comentários:

  1. Você é bárbara, Bárbara! Daqui de Santa Bárbara eu lhe digo: seu blog, um show, seu dom maravilhoso, sua criatividade fenomenal! Parabéns, a vc pelo nosso dia e pela sua arte! Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Maria Luiza! Estes comentários me enchem de alegria!!! Um grande abraço para vc também!!!

      Excluir
  2. a maria luiza disse tudo!!! lindos, lindos, lindos!!!

    abração,
    dani tolfo

    ResponderExcluir
  3. hmm.. a história do seu Quintino realmente lembra muito o Cipriano Algor, personagem do Saramago!
    teu trabalho tá lindo, Bárbara!
    muitos beijos nessa familinha fofa.
    Tati

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na época eu fazia o caminho inverso. Saía da cidade grande para o interior. O romance ainda estava muito fresco na memória. Foi uma experiência muito boa! Beijão Tati!!!

      Excluir
  4. OI BARBARA, OBRIGADO PELOS COMENTARIOS QUE FIZESTE SOBRE MEU TRABALHO. PROCURO SEMPRE INOVAR E COLOCAR MUITO CARINHO NAS COISAS QUE FAÇO.É MUITO BOM SER RECONHECIDA, POIS ISSO SÓ NOS FAZ CRESCER. TEUS OVINHOS DISFARÇADOS TAMBÉM ESTÃO LINDOS. BEIJOS, ANGELA.

    ResponderExcluir
  5. Amei chegar aqui, lindo seu trabalho e suas fotos, mas principalmente, que blog gostoso de passear, este post me encantou. Bom domingo e felizes produções sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Claudia! Fique sempre à vontade para passear por aqui! Bj

      Excluir